Síndrome de Rett

A síndrome de Rett é um problema de causa genética, que provoca desordens neurológicas, devido a uma anomalia do gene MecP2. Pode ser considerada um tipo de autismo, sendo a sua manifestação mais grave. A síndrome de Rett é mais comum em pessoas do sexo feminino, já que os indivíduos do sexo masculino apresentam uma menor resistência a mutação e acabam morrendo precocemente.

Síndrome de Rett

A menina pode se desenvolver de maneira aparentemente normal até o oitavo mês de vida ou até no máximo o décimo oitavo mês. A partir disso, a sua evolução e aprendizado começam a ficar comprometidos e ao invés de desenvolver as habilidades motoras e a capacidade de interação social, a criança passa a regredir. O crescimento craniano também pode regredir, onde ocorre uma microcefalia adquirida.

A síndrome de Rett ainda está sendo estudada, de maneira que novos tratamentos para minimizar os danos aos protadores sejam desenvolvidos, inibindo as suas características fenotípicas. No ano de 2010, a ciência se pronunciou pela primeira vez, anunciando estudos sobre uma possível cura para a Síndrome de Rett. Os estudos buscam uma forma de “curar” neurônios autistas e conta com a participação de cientistas brasileiros no projeto.