Perigos para jovens atletas

Um estudo de pediatria, retirado do Cadastro Nacional de morte súbita em atletas jovens, um banco de dados mantido pela Fundação Instituto de Coração para focar as mortes por trauma contuso, entre jogadores de 15 a 21 anos. Afirmam que há um número preocupante de jogadores de futebol que morreram por conta de golpes na cabeça e pescoço depois que eles já haviam sofrido abalos poucos dias a quatro semanas de antecedência. O estudo afirma, que felizmente, estamos em  um momento de crescente conscientização sobre concussões, incluindo os perigos da “síndrome de segundo impacto.”

Crianças jogando futebol

Registros listados, apresentam 1.827 mortes súbitas entre os atletas de 1980-2010, mostra que 14%  deles, ou 261, foram causados ??por traumas relacionados com lesões. Traumas fatais foram mais freqüentes no futebol, com 148, incluindo 17 jogadores do ensino médio, que morreram de ferimentos na cabeça ou no pescoço.

Em geral as mortes por trauma entre os jovens atletas são relativamente incomuns, e elas são quatro vezes menos comuns do que as mortes cardiovasculares. A média se manteve relativamente constante em torno de nove por ano. Porém, estes eventos catastróficos continuam a ser uma importante questão de saúde pública com um efeito devastador sobre as famílias, comunidades e médicos.

O estudo afirma que a maioria das mortes são evitáveis ??e mostrou a importância de melhores equipamentos e de protocolos mais precisos para atletas lesionados, com um melhor diagnóstico de quando devem retornar à atividade.