Nova droga experimental contra Mal de Alzheimer

Uma droga experimental criada para o tratamento da doença de Alzheimer, que anteriormente apresentava sérios efeitos colaterais, pode realmente ser seguro a longo prazo. As chaves para a segurança da droga, bapineuzumab, pode ser a diminuição da dose e não utilizá-la em pacientes com ApoE4, uma mutação genética ligada à doença de Alzheimer, de acordo com dois estudos apresentados na Conferência da Associação Internacional sobre Doença de Alzheimer, que aconteceu em Paris.

Mal de Alzheimers

Os pacientes foram capazes de tolerar bapineuzumab de dois a quatro anos, sem o surgimento de quaisquer preocupações de segurança. Embora bapineuzumab tem se mostrado promissora em pacientes com Alzheimer, a pesquisa descobriu que outros doentes que tomaram uma dose maior da droga, tiveram um risco maior de apresentar  inflamação no cérebro, por conta da retenção de água.

Isto resulta em forte dor de cabeça, perda de memória, alucinações, coordenação motora reduzida e outros sintomas. Mas nenhum desses problemas ocorreu com o uso de doses menores. Bapineuzumab é um anticorpo monoclonal humanizado, que pode ser capaz de eliminar o peptídeo beta-amilóide no cérebro de pessoas com Alzheimer. A maioria dos especialistas acreditam que o acúmulo de proteínas beta-amilóide, que se acumulam como placa, é responsável pela doença de Alzheimer.