Ataque cardíaco associado à temperatua elevada

As temperaturas extremas durante os períodos quentes ou frios podem aumentar o risco de morte prematura por doença cardíaca. É o que um novo estudo australiano revela. O risco de morte cardíaca relacionada com a doença é maior durante as ondas de calor do que no frio, de acordo com o estudo, que foi publicado 18 de setembro na revista Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes.

Ataque cardíaco

Ataque cardíaco

Essas novas descobertas são importantes em função das taxas crescentes de obesidade e mudança climática, disse o pesquisador Cunrui Huang, da Escola de Saúde Pública e Instituto de Saúde e Inovação Biomédica na Universidade de Tecnologia de Queensland. Com o aumento das taxas de obesidade e condições relacionadas, incluindo a diabetes, mais pessoas serão vulneráveis ??a temperaturas extremas. Isso poderia aumentar a carga da doença futuramente em relação à temperaturas extremas.

Os pesquisadores compararam temperaturas diárias, entre 1996 e 2004, com os anos de vida perdidos para a doença cardíaca durante o mesmo período. Os anos de vida perdidos por morte prematura equipara-se a estimativa de vida perdida, de acordo com a expectativa média de vida. Os pesquisadores descobriram 32% das pessoas com 70 anos ou mais, tiveram problemas cardíacos ou vieram a falecer por conta do calor. O risco de morte prematura por doença cardíaca foi maior quando o calor extremo durou dois ou mais dias.