Anestesia geral relacionada à TDAH na infância

Crianças que se submetem à procedimentos cirúrgicos que requerem anestesia geral, em seus dois primeiros anos de vida podem correr um risco maior de desenvolver déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) à medida que envelhecem. As crianças que realizaram pelo menos duas cirurgias deste tipo antes de seu segundo aniversário apresentaram aproximadamente duas vezes mais chances que seus colegas de desenvolver TDAH com o passar dos anos.

Por outro lado, passar por um único procedimento cirúrgico parece não aumentar esse risco. Neste grupo de crianças, 7% daqueles com que sofreram exposição à anestesia e 10,7% daqueles com apenas uma exposição passou a desenvolver TDAH em nível insignificante, estatisticamente falando. Em contraste, as crianças que tiveram duas ou mais experiências com anestesia aumentaram de forma significante as chances do desenvolvimento de TDAH, cerca de 18%.

Quanto mais tempo uma criança estava inconsciente, maior o risco de TDAH, o que sugere que várias exposições (mesmo quando curtas) para anestesia pode aumentar o risco. No entanto, os pais não devem ser indevidamente alarmados se seus filhos precisam de anestesia geral, porém, é indicado conversar com o médico sobre a necessidade de tal procedimento.