Alcoolismo continua sendo problema para transplantados de fígado

Segundo uma nova pesquisa realizada na França, receptores de transplante de fígado com histórico de alcoolismo são muito menos propensos a começarem a beber novamente quando os mesmos se submetem ao tratamento contra o abuso de substâncias, antes e depois de seu transplante. E um segundo estudo mostra que o abuso de álcool depois de um transplante de fígado aumenta de forma significativa o risco de falha do transplante. Ambos os estudos foram publicados na edição de outubro da revista “Liver Transplantation” e na revista “Salut”.

Alcoolismo é um problema para pessoas com Transplantados de fígado

Alcoolismo é um problema para pessoas com Transplantados de fígado

A doença hepática alcoólica é o segundo motivo mais comum para transplantes de fígado no Brasil, Estados Unidos e na Europa. Contudo, a pesquisa sugere que 15 a 90% dos pacientes que recebem um novo começo fígado voltam a beber após o transplante. No primeiro estudo, os pesquisadores descobriram que 16% dos pacientes de transplante de fígado com histórico de alcoolismo começaram a beber novamente se eles receberam tratamento de abuso de substâncias antes e depois do transplante.

As taxas de recaída foram de 41% para aqueles que receberam o tratamento de abuso de substâncias antes do transplante e 45% para aqueles que não receberam nenhum tipo de tratamento. O estudo destaca a necessidade de avaliações contínuas sobre o uso de álcool como parte do tratamento pós-transplante. Dada a escassez de fígados de doadores disponíveis, manter a sobriedade é fundamental para maximizar o uso do órgão e os resultados dos pacientes após o transplante.